MVP: System Center Cloud and Datacenter Management, MCT, MCSE, MCITP, MCPD, MCDBA
MVP Logo

Pageviews The process cannot access the file 'D:\home\site\wwwroot\Visitas2.xml' because it is being used by another process. 2020: 2148938
Pageviews 2019: 4355776
Pageviews 2018: 4296564
Pageviews 2017: 4351543
Pageviews 2016: 3991973
Pageviews 2015: 2675433
Pageviews 2014: 2664208
Pageviews 2013: 2399409
Pageviews 2012: 3209633
Pageviews 2011: 2730038
Pageviews 2010: 1470924
Pageviews 2009: 64608

Últimos posts

Categorias

Arquivo

Tags

Azure Virtual Datacenter (VDC) Parte I- Migração AS IS e TO BE

Quando trabalhamos em um projeto de migração para Public Cloud e o desenho é voltado a Azure, é muito comum os cenários de “AS IS”.

AS IS

Para os não iniciados com este termo, “AS IS” significa levar como está me ingles, ou seja copiar as VMs de um ambiente a outro sem qualquer alteração, utilizando o Azure como um virtualizador.

Em geral os modelos de migração AS IS não são eficientes, pois consomem muito recursos em IaaS (VMs) que custam caro, não aproveitando nada de serviços (SaaS ou PaaS) que são mais baratos. Porem, a vantagem é que é mais rápido e não exige mudanças.

TO BE (ou LIft and Shift)

Já as boas migrações são as “TO BE”, que em tradução livre seria “SERÁ” no sentido de transformação. O modelo de migração TO BE tem como premissa usar os serviços e não apenas migrar VMs.

Migrações TO BE são trabalhosas e mais demoradas, uma vez que esse mapeamento envolve entender o que está DENTRO DAS VMs.

O custo de execução é muito menor pois SaaS e PaaS tem vantagens financeiras grandes quando comparados ao modelo de IaaS.

Por exemplo, no AS IS um servidor IIS e outro de SQL serão simplesmente copiados os discos virtuais e iniciados. Já no modelo TO BE iremos isolar cada uma das aplicaçÕes que o IIS executa e criar Web Plan para isolamento e Web Services para cada site, e no caso do SQL Server usariamos o serviço de Banco de Dados (SaaS ou PaaS).

Utilizando o Service MAP

O primeiro passo para fazer uma migração é mapear o que cada VMs ou servidor fisico executa no ambiente.

Para isso utilizamos o Service MAP: http://www.marcelosincic.com.br/post/Azure-Log-Insigths-Service-Map.aspx

Com ele será possivel ver as interligações e serviços que cada servidor utiliza entre no ambiente e mapear qual serviço temos para substituir.

Entendendo o Conceito de Datacenter do Azure

Para desenhar um datacenter usando VMWare, Hyper-V ou KVM é necessário que o desenho dos hosts, rede e outros detalhes sejam feitos por especialistas no hypervisor.

O mesmo vale para Azure, precisamos entender os diferentes componentes para desenhar um datacenter com seus recursos.

Para isso, é necessário estudar, e muito.   Tambem é necessário quebrar os paradigmas de datacenter fisico e pensar em serviços.

Uma das formas de fazer isso é utilizar o Guide da própria Microsoft disponivel em https://docs.microsoft.com/en-us/azure/architecture/vdc/

Esse guia tem todas as perspectivas de um datacenter virtual, o ajudará a entender a camada de virtualização, rede, segurança, serviços e o lift and shift, ou seja a transformação para um modelo mais eficiente.

Para começar baixe a apresentação disponivel em https://aka.ms/VDC/Deck

Conclusão

Não é fácil fazer uma migração correta, mas é possivel e o resultado será muito melhor.

Ao longo do mês iremos explorar os itens que compõe o VDC e verá que é possivel fazer esse tipo de migração com recursos novos, mais eficientes e custos apropriados.

Login
Marcelo de Moraes Sincic | All posts tagged 'console'
MVP: System Center Cloud and Datacenter Management, MCT, MCSE, MCITP, MCPD, MCDBA
MVP Logo

Pageviews 2020: 2148938
Pageviews 2019: 4355776
Pageviews 2018: 4296564
Pageviews 2017: 4351543
Pageviews 2016: 3991973
Pageviews 2015: 2675433
Pageviews 2014: 2664208
Pageviews 2013: 2399409
Pageviews 2012: 3209633
Pageviews 2011: 2730038
Pageviews 2010: 1470924
Pageviews 2009: 64608

Últimos posts

Categorias

Arquivo

Tags

System Center Operations Manager 2012–Primeiras Impressões e Interface

Após o post de requisitos e dicas de instalação (http://bit.ly/oJHHhj) continuo a série com as primeiras impressões da interface e alguns recursos.

Interfaces

A tela inicial de monitoração ficou similar a atual do SCOM 2007 R2, com as views e diagramas destacados e um resumo do lado direito com as tarefas pendentes.

1-Inicial

Nas opções de Administração nota-se de imediato o novo grupo no menu para "Network Management” que é a grande novidade junto com a opção “Resource Pools”.

2-Administration

Resource Pool

O Resource Pool tem a função de criar um grupo de servidores de gerenciamento que trabalham como balanceamento de carga. No exemplo abaixo note que o servidor de gerenciamento foi adicionado a um grupo que mais tarde será utilizado como ponto de contato para gerenciamento nas regras de monitoração dos dispositivos de rede.

3B-ResourcePool

Network Devices

Para monitorar os equipamentos de rede é necessário criar uma regra de discovery para que os equipamentos sejam listados, como a regra que criei abaixo.

4-DiscoveryNetwork

Como resultado, os equipamentos aparecem na lista de pendentes, já que o roteador que pedi para gerenciar não está com o SNMP habilitado. Ao achar um dispositivo de rede este irá aparecer na lista Network Devices.

5-DiscoveryPending

Para criar uma regra de pesquisa de equipamentos é necessário indicar o servidor que será utilizado para fazer a pesquisa e o servidor ou Pool que será utilizado para monitorar. Note que o primeiro servidor indicado é apenas para a pesquisa como descrito no texto e o servidor/servidores de gerenciamento são os que irão monitorar e gerenciar o equipamentos.

6-DiscoveryNetwork

Na sequencia será solicitado se irá ser especificado o equipamento ou se a pesquisa será recursiva utilizando protocolos do equipamento indicado. O modo recursivo será util nos casos em que desejamos procurar por um range com vários equipamentos a serem monitorados.

7-DiscoveryNetwork

O passo seguinte é definir o nome da comunidade e a senha para acesso ao SNMP a partir de uma lista.

8-DiscoveryNetwork

Para criar os dados do SNMP utilizei o botão Create Account que abrirá um wizard como a tela a seguir onde será informado o nome da comunidade. Este item criado pode ser reaproveitado já que nas regras de descoberta o que fica é a referencia e não o nome e senha da comunidade SNMP.

9-Community

Por fim, indicamos quais são os equipamentos de rede que serão monitorados informando o método de monitoração, protocolo, versão do SNMP e obviamente o nome ou IP desde dispositivo.

10-DiscoveryNetwork

 

Neste post abordei uma visão inicial e de novos recursos do console de operação do SCOM 2012.

Nos próximos posts do produto irei abordar a parte de autoria do SCOM 2012.

Posted: ago 25 2011, 17:10 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Console do SCCM 2007 não conecta ao banco de dados

Este erro acontece com frequencia em clientes, então achei por bem definir o motivo e a solução.

SINTOMA

Ao tentar abrir o console do SCCM você recebe a mensagem abaixo.

image

CAUSA

Normalmente isso acontece porque o usuário atual não é o mesmo que fez a instalação do SCCM. As permissões no SCCM são granulares e não integradas ao AD, portanto ser um Domain Admin não irá dar permissões ao SCCM.

SOLUÇÃO

Entre com o usuário original que efetuou a instalação do SCCM, vá no menu “Security Rights” –> “Users” e crie um novo usuário nas permissões pedindo para copiar as permissões do atual administrador, como a imagem abaixo.

image

Voilá !!!!!   Agora seu usuário conseguirá acessar normalmente.

Posted: mar 15 2011, 17:00 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Login